Descubra como um cachorro velho pode aprender truques novos

Não estou aqui querendo refutar décadas de estudos que demonstram que crianças tem mais aptidão para o aprendizado do que adultos, mas apesar da dificuldade, é inegável que pessoas adultas ou idosas podem aprender e mudar significativamente seus hábitos.

Continuar lendo “Descubra como um cachorro velho pode aprender truques novos”

O futuro e a Preguiça Criativa

Finalmente chegamos no futuro, não temos carros voadores mas temos uma rede mundial de comunicação: a internet.

A internet nos proporcionou acesso a quantidades absurdas de dados e muitos deles podem ser encontrados na sua forma mais bruta: manifestações espontâneas da população sobre os mais diversos assuntos, pela primeira vez é possível, ainda que de forma parcial, medir a repercussão de todos os acontecimentos da nossa sociedade.

Isso nos levou a uma era de reflexões, acho fantástico como temas como racismo, machismo, xenofobia, homofobia, transfobia, pedofilia e outras doenças sociais tem sido discutidas mais intensamente.

Quando a opinião alheia não estava disponível publicamente, era aceitável alegar desconhecimento para justificar algum grau de sociopatia, hoje porém é possível se informar e se vacinar contra diversos tipos de preconceitos. Continuar lendo “O futuro e a Preguiça Criativa”

Internet não é telefone: aprenda a falar de forma assíncrona

A comunicação sincronizada é aquela onde um indivíduo fala e o outro responde em seguida. É a forma padrão de se conversar presencialmente ou por telefone.

Comunicação assíncrona é aquela onde você não sabe quando alguém vai ler a sua mensagem e (se) quando vai responder. Esse tipo de comunicação sempre existiu, seja por carta ou por sinais gravados na natureza. A internet popularizou a comunicação assíncrona, mas infelizmente nem todo mundo ainda aprendeu a se comunicar assim.

Quem nunca recebeu aquela mensagem no Facebook Messenger (WhatsApp, Skype, Direct Message do Twitter, Viber, Telegram, insira aqui seu mensageiro preferido) dizendo apenas “Oi! Tudo bem?”… 😐

A pessoa não adianta nada do assunto, ela não sabe quando você vai responder, mas espera pacientemente (nem sempre) a resposta. Às vezes ela vê que a pessoa está online e imagina que ela irá responder imediatamente. Desconsiderando que a pessoa do outro lado pode estar ocupada com alguma tarefa.

Esse parece apenas um texto ranzinza de quem não gosta de conversar online correto? Bem, por trás dessa ranhetice tem algumas dicas importantes para você ser mais produtivo.

Continuar lendo “Internet não é telefone: aprenda a falar de forma assíncrona”

Porque eu joguei fora 18 anos de conteúdo para começar de novo

Quando eu comecei um site em 1997 a idéia era apenas fazer testes. Eu era um programador, trabalhava com softwares corporativos (os famosos ERPs) e queria experimentar outras alternativas dentro da minha área de trabalho.

Nas horas vagas comecei brincando com HTML, mais tarde comecei a programar em PHP e nesse meio tempo eu comecei a escrever sobre tecnologia enquanto ainda trabalhava com sistemas corporativos.

O estranho é que escrever textos começou a me dar mais prazer e, alguns anos mais tarde, mais retorno financeiro do que escrever códigos. Fui considerado o primeiro brasileiro a viver de blog por diversas publicações, se eu já achava esse título idiota na época, hoje me parece ainda mais nonsense.
Continuar lendo “Porque eu joguei fora 18 anos de conteúdo para começar de novo”

A internet e os textões sobre “elefantes”

Todos os dias eu leio um texto sobre alguém que acabou de descobrir um elefante.

E geralmente o texto é incrível e vem seguido de um monte de compartilhamentos e elogios.

Aí dias depois outra pessoa descobre um elefante e faz outro texto incrível, e esse texto também tem um monte de compartilhamentos e comentários.

Aí de repente os autores dos 2 textos sobre elefantes começam a brigar e cada um tem sua legião de fãs e eles discutem agressivamente sobre seus pontos de vista sobre elefantes por dias e eu não vejo o menor sinal de convergência. Continuar lendo “A internet e os textões sobre “elefantes””